Notícias

Dentil /Praia Clube e Vôlei Nestlé vão decidir a final da Copa Brasil feminino de vôlei em Lages


As semifinais do torneio movimentaram o ginásio Jones Minosso. A grande final acontece amanhã, dia 20 de Janeiro
Dentil /Praia Clube e Vôlei Nestlé vão decidir a final da Copa Brasil feminino de vôlei em Lages

A presença de grandes nomes do voleibol brasileiro em Lages, atraiu muita gente ao ginásio Jones Minosso na noite desta quinta-feira, dia 18 de Janeiro, início das semifinais da Copa Brasil feminina de vôlei 2018.

Torcedores, fãs, apaixonados pelo esporte, jogadores amadores e profissionais. Cada um com uma história e uma bela motivação pessoal para acompanhar esse esporte que cativa e faz o público vibrar. À exemplo das meninas da equipe Wizard, de São José do Ouro, RS, que fizeram uma caravana e percorreram quase 200 km para acompanhar as disputas. “Abandonamos tudo hoje no início da tarde para estar aqui. Embora seja um pouco distante da nossa cidade, para nós é uma emoção ver elas jogando ao vivo. Chega a dar um arrepio”, comenta a porta-voz do grupo Liliane Machado.

Já a empresária Gizelle Ferreira veio de Palhaça, com a filha Grasiele de 12 anos, e a mãe dona Lindomar. Saíram hoje pela manhã e ficarão até sábado. Além de ser a primeira vez que estão em Lages, Gizelle que já foi jogadora de vôlei, conta que ficou admirada com a estrutura do Jones Minosso. “É um dos melhores ginásios que eu já vi. Tem até cabines para rádio e tv. Isso demonstra uma preocupação com o esporte,” avalia.

Durante o confronto entre o Dentil/ Praia Clube e Camponesa/Minas, as irmãs Marina e Letícia Amaral passaram a partida inteira “gritando” o nome da ídola Rosamaria Montibeller, jogadora do Minas e da Seleção Brasileira. “Eu me inspiro muito nela. Acompanho toda a trajetória, sei que ela começou na base, jogou na Olimpíada Estudantil Catarinense (Olesc) e agora está na seleção. Também é catarinense, nasceu em Nova Trento, por isso, muito nos orgulha”, afirma a estudante Marina, de 15 anos, que veio de Florianópolis com os pais para acompanhar as partidas. Todo o esforço foi recompensado. Simpática e atenciosa, Rosamaria tirou fotos, fez selfies e retribuiu o carinho dos fãs.

História da Copa Brasil 

O Sesc RJ (RJ), no feminino, e o EMS Taubaté Funvic (SP), no masculino, foram os campeões da competição na temporada passada. Na última edição, em 2017, disputada em Campinas (SP), o time carioca venceu o Camponesa/Minas (MG) na final enquanto o grupo de Taubaté superou o Sesi-SP.

Esta é a quarta edição da Copa Brasil. A primeira, em 2014, aconteceu em Maringá (PR) e reuniu equipes dos dois naipes. Em 2015, a competição feminina foi em Cuiabá (MT) e a masculina em Campinas (SP). E nos anos de 2016 e 2017, equipes dos dois naipes também disputaram o título na cidade campineira.

Dentil/ Praia Clube X Camponesa/Minas

O primeiro set começou disputado ponto a ponto. O Dentil/Praia Clube passou a sacar com eficiência e abriu dois pontos (10/8). Bem no bloqueio, o time de Uberlândia aumentou a diferença no placar para quatro pontos (14/10) e o treinador do Camponesa/Minas, Stefano Lavarini, pediu tempo. A paralisação fez bem ao time do técnico italiano que encostou no marcador (15/14). Com um ponto de contra-ataque da oposta Carla, a equipe de Uberlândia abriu dois pontos (20/18). O time de Belo Horizonte cresceu de produção e virou o marcador (23/22). O final da parcial foi disputado ponto a ponto. O Dentil/Praia Clube conseguiu um ponto de bloqueio e venceu o primeiro set por 27/25. O Dentil/Praia Clube seguiu melhor no início do segundo set e fez 7/3. Com um ataque rápido da central Walewska, o time do treinador Paulo Coco abriu quatro pontos (14/10). Bem no saque e se aproveitando dos erros do time de Belo Horizonte, o Dentil/Praia Clube fez 18/10. O time de Uberlândia segurou a vantagem até o final e venceu o segundo set por 25/14 com um ponto de bloqueio da ponteira Fê Garay. 

O time de Uberlândia continuou ditando o ritmo da partida no início do terceiro set e fez 7/3. Quando o time mineiro abriu cinco pontos (8/3), o treinador Stefano Lavarini pediu tempo. Jogando com velocidade, o Dentil/Praia Clube abriu nove pontos (20/11). A equipe de Uberlândia seguiu melhor até o final e venceu o terceiro set por 25/14 e o jogo por 3 sets a 0. 

Equipes:

Dentil/Praia Clube – Claudinha, Carla, Amanda, Fernanda Garay, Walewska e Fabiana. Líbero – Suelen
Entraram – Ananda, Fawcett, Natasha 
Técnico – Paulo Coco 

Camponesa/Minas – Macris, Hooker, Rosamaria, Pri Daroit, Carol Gattaz e Mara. Líbero – Léia 
Entraram- Karol Tormena, Karine, Mayany, Laiza 
Técnico – Stefano Lavarini 

 

Vôlei Nestlé vence clássico contra Sesc RJ e garante lugar na final

O Vôlei Nestlé começou melhor e fez 8/6. Quando o time de Osasco fez 11/8, o treinador Bernardinho pediu tempo. O time de Osasco seguiu melhor e abriu seis pontos (17/11). O time carioca cresceu de produção e diminuiu a vantagem para quatro pontos (20/16). A equipe do treinador Luizomar de Moura segurou a reação do Sesc RJ e fechou o primeiro set por 25/22.

O Sesc RJ voltou melhor para o segundo set e fez 5/1 e, neste momento, o treinador Luizomar de Moura pediu tempo. A paralisação fez bem ao time de Osasco que empatou a parcial (8/8). O Vôlei Nestlé passou a liderar a parcial e fez 17/14. O time de Osasco foi melhor até o final do set e venceu a parcial por 25/17 com uma china da central Ninkovic. 

O Sesc RJ voltou melhor para o terceiro set e fez 8/5. Numa boa sequência de saques da central Mayhara, o time carioca abriu quatro pontos (11/7). Quando o placar estava 12/7, o treinador Luizomar de Moura trocou as levantadoras. Entrou Carol Albuquerque e saiu Fabíola. A equipe do treinador Bernardinho seguiu melhor e manteve quatro pontos de vantagem (18/14). Quando as cariocas fizeram 20/15, o treinador Luizomar de Moura pediu tempo. O Sesc RJ segurou a vantagem e levou a melhor no terceiro set por 25/20.

O Vôlei Nestlé fez os três primeiros pontos da quarta parcial e o treinador Bernardinho pediu tempo. O time de Osasco seguiu melhor e manteve a diferença no placar (7/3). Com uma boa sequência de saques da ponteira Peña, a equipe carioca encostou (7/6) e o treinador Luizomar de Moura pediu tempo. A paralisação fez bem ao time de Osasco que cresceu na parcial e abriu cinco pontos (19/14). O time de Osasco segurou uma reação da equipe carioca e levou a melhor no quarto set por 25/21 e no jogo por 3 sets a 1.

 

Equipes:

Sesc RJ – Roberta, Monique, Drussyla, Peña, Mayhara e Juciely. Líbero – Fabi 
Entraram – Natiele, Gabi, Vitória, Carol Leite 
Técnico – Bernardinho 

Vôlei Nestlé -  Fabíola, Tandara, Mari Paraíba, Leyva, Ninkovic e Bia. Líbero – Tássia 
Entraram – Carol Albuquerque, Erica, Lorenne, 
Técnico – Luizomar de Moura

 

Final

Jogo 7 – 19.01 (SEXTA-FEIRA) – Dentil/Praia Clube x Vôlei Nestlé, às 21h30, no Jones Minosso – Com transmissão canal SporTV

Ingressos nos seguintes pontos: Acil, Lojas HonoluluKi-Bola Esportes, Marka Sports e Posto Duque. O valor é R$ 30 a inteira e R$ 15 a meia-entrada, para cada dia de jogos. Crianças menores de 12 anos, acompanhadas dos pais ou responsáveis, não pagam ingresso. Os usuários dos cartões Ourocard e Ourocard Elo, do Banco do Brasil, também podem adquirir seus ingressos com valores promocionais: clientes Ourocard R$ 22,50 e Ourocard Elo R$ 15.

 

Texto: Com a contribuição de Vicente Condorelli, Assessoria de Imprensa Confederação Brasileira de Voleibol (CBV)