Notícias

Assistência Social e Habitação busca fortalecer o protagonismo da articulação da rede socioassistencial


O encontro reuniu representantes das Diretorias da Secretaria de Assistência Social e Habitação, Unidades Básicas de Saúde (UBS), Ceims, Emebs, associações de moradores, serviços e instituições, associações de moradores, entre outros
Assistência Social e Habitação busca fortalecer o protagonismo da articulação da rede socioassistencial A equipe composta por psicóloga, assistente social, educadora social e facilitadores de oficinas, juntamente à coordenadora Josiane, explicaram sobre os objetivos da Proteção Social Básica /Fotos: Camana Sweilem

Com a consequência das desigualdades sociais, inúmeras pessoas passam por situações de violência, desemprego e fome. E problemas dessa magnitude exigem ações múltiplas e diversificadas para atingir a resolutividade. Com esse propósito, na manhã desta sexta-feira (17 de agosto) a Diretoria de Proteção Social Básica da Secretaria de Assistência Social e Habitação, por meio do Centro de Referência de Assistência Social – (Cras VIII/loteamento Gralha Azul), promoveu no próprio auditório da sede do Cras o primeiro café com a rede socioassistencial dentro e fora do território de abrangência.  

Segundo a coordenadora do Cras VIII, Josiane Cristine de Souza, além de explicar sobre o funcionamento do Sistema Único de Assistência Social (SUAS) e apresentar os serviços desenvolvidos pela equipe da unidade, bem como os objetivos, público prioritário, metodologia, classificação e horário dos grupos e reuniões com as famílias do Serviço de Proteção e Atendimento Integral À Família (PAIF) e o Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos (SCFV), o encontro serviu para integrar políticas públicas e não governamentais para fortalecer as relações de parcerias existentes e também para estabelecer outras. “Conforme o relatório mensal referente ao mês de julho deste ano são 1.129 famílias cadastradas e atendidas pelo PAIF. São 81 famílias em acompanhamento PAIF e 74 crianças e adolescentes com participação regular do SCFV. Já realizamos reuniões internas com cada gestor das entidades socioassistenciais. Hoje foi o momento de reunir representantes das Diretorias da Secretaria de Assistência Social, Unidades Básicas de Saúde (UBS), Ceims, Emebs, associações de moradores, serviços e instituições, associações de moradores, entre outros, com o intuito de dialogar sobre as experiências nas atividades/campanhas internas e externas do Cras VIII e anunciar que para alguns grupos do turno da manhã ainda restam vagas”, comenta Josiane.     

Na oportunidade, a equipe composta por psicóloga, assistente social, educadora social e  facilitadores de oficinas, juntamente à coordenadora Josiane, explicaram sobre os objetivos da Proteção Social Básica, à qual os Cras´s pertencem, seus eixos estruturais, público-alvo e formas de acesso. “Destina-se à população que vive em situação de vulnerabilidade social decorrente da pobreza, privação ou fragilização de vínculos familiares. É a porta de entrada dos usuários à rede de proteção básica do SUAS”, esclarece Karina Soraya de Borba, assistente social da unidade.

Horários dos grupos  

Manhã: 8h30 às 11h30.

Tarde: 14h às 17h.

Faixa etária: 6 a 9 anos – terça e quinta-feira.

Faixa etária: 10 a 13 anos e 14 a 17 anos – segunda e quarta-feira.

Horário de funcionamento e endereço do CRAS VIII/loteamento Gralha Azul

Das 8h às 18h, de segunda a sexta-feira.

Endereço: rua Professor Simplicio, esquina com a rua Sebastião Euriques de Oliveira, 765, bairro São Pedro.

Telefone: (49) 3223-9148.

Próximo café com a rede socioassistencial

Além do café com a rede socioassistencial no Cras VIII, na tarde desta sexta-feira o Cras III, localizado na rua Dalila Canani Delfes, no bairro Penha, também realizou o encontro. O próximo será realizado pelo Cras IV Mercedes Darodda Valera, no dia 24 de agosto, das 13h às 17h, na Igreja do Evangelho Quadrangular, no bairro Tributo. Esse será em outr modelo, em parceria com a Comissão de Monitoramento do Protocolo de Atenção às Vítimas de Violência de Lages – (Compav).